O Desenvolvimento anda de trem III, por José Manoel Ferreira Gonçalves

*José Manoel Ferreira Gonçalves

A história é sujeito de si mesma e quis que, depois de uma ditadura de mais de duas décadas, elegêssemos em 1989 um janota arrivista para a presidência do país, um desastre completo em tudo, tanto mais para o desenvolvimento sobre trilhos…

Chegou 1994 e, se não elegemos o líder popular que faria no futuro um dos melhores governos, elegemos um político com história, um sociólogo, professor da USP, que precisou se exilar no período de exceção: Fernando Henrique Cardoso era de longe o melhor presidente desde Getúlio e JK. Agora vai!

Não foi. Ou devido às alianças à direita que fez com o PFL de ACM, ou por pressão das elites financeiras ou por convicções próprias e de seu grupo, houve por bem mergulhar o Brasil no neoliberalismo globalizante, que tinha por esteio o estado mínimo, com isso partiu para a privatização, ou privataria, como queiram, desenfreada. Neste ímpeto perdemos nada menos que a Siderúrgica Nacional e a Vale do Rio Doce.

A Petrobras estava virando Petrobrax exatamente para seguir no mesmo caminho, mas acabou não dando tempo. Neste contexto, a RFFSA foi privatizada sem dó, piedade ou sequer maior atenção. Simplesmente trocou-se o oligopólio público, que estava a serviço dos cidadãos, para um monopólio privado, a serviço de dois conglomerados financeiros. Tudo isso feito com pompa, circunstância e foguetório. Para os trilhos e para o desenvolvimento, à imagem do que acontece com o retirante de Morte e Vida Severina, esse clima fúnebre, visto de longe por um país míope de tanto sofrer, parecia uma festa. Não era. Nunca os trilhos estiveram tão maltratados, e o corolário deste descaso se viu logo mais tarde, com a queda de uma composição de 45 vagões da ALL de uma ponte férrea entre Curitiba e Paranaguá, na Serra do Mar. Ao contrário de muitos outros acidentes que ocorreram em parte pela precarização via privatização, não houve vítima fatal neste acidente, mas foi nele que o clima fúnebre se mostrou inteiro.

A privatização gerou um caixa imediato para o governo de turno, mas uma perda de longo prazo incalculável para a nação como um todo. Para se efetivar essa privatização, foi inculcado no povo a ideia de que trem é atraso. Paradoxalmente, quando essas pessoas que aceitaram essa narrativa viajam ao que chamam de primeiro mundo, invariavelmente se valem das várias modalidades de transporte sobre trilhos pra se locomover, inclusive o chamado trem-bala.

E simplesmente não há país desenvolvido no mundo, especialmente os de maior extensão, e a Rússia é modelar neste sentido, que não se valha de uma ampla teia de trilhos construídos com investimento público, sobre os quais deslizam pessoas, produtos e progresso.

Na semana que vem vamos tratar da era de ouro dos trilhos no Brasil, que se deu na primeira década do milênio.

*José Manoel Ferreira Gonçalves é jornalista, cientista político, advogado e doutor em engenharia. Dedica-se ao estudo da ecologia e meio ambiente, bem como aos modais de transporte, notadamente o ferroviário, para cuja bandeira milita.

Leia esse e os artigos em:

O Desenvolvimento anda de trem III, por José Manoel Ferreira Gonçalves https://jornalggn.com.br/transporte/o-desenvolvimento-anda-de-trem-iii-por-jose-manoel-ferreira-goncalves/


O artigo que você acabou de ler, faz parte de uma série, leia os anteriores acessando:

O Desenvolvimento anda de trem I, por José Manoel Ferreira Gonçalves

O Desenvolvimento anda de trem II, por José Manoel Ferreira Gonçalves